Cabeça de vento

Cabeça de vento faz o gênero mais leve de leitura, coisa para passar o momento e entreter. Foi o primeiro livro da Meg Cabot que eu li e, sinceramente, adorei. Leitura envolvente, leve e divertida. Gostei bastante. O livro que continua a série é o “Sendo Nikki…”

Sinopse: Emerson Watts odeia seu nome, tem problemas com quase todo mundo na escola e seu melhor amigo parece nem desconfiar de sua paixão por ele. Parece que ela tem problemas? Pois um acidente num shopping aproxima Em e a famosa modelo Nikki Howard muito mais do que deveria, e é aqui que os problemas começam de verdade.

Título: Cabeça de Vento
Autor: Meg Cabot
Editora: Galera Record
Ano: 2010
Número de páginas: 320

Anúncios

A camareira: voyerismo e solidão

Depois de ouvir falar, e muito bem, sobre esse livro não resisti e peguei para lê-lo. Quando comecei a ler, tive uma surpresa, é daqueles livros que parecem que vão te consumur se você não terminar logo. Li em menos de duas horas, sentindo as emoções da personagem principal. O livro traz a história de uma camareira muito curiosa, que começa a praticar o voyerismo. Depois de ter se escondido debaixo da cama de um hóspede do hotel, resolveu aderir à pratica todas as terças-feiras. Além disso, só observar não era suficiente, começou a procurar viver as mesmas experiencias. Depois de ler “A camareira” suas estadias em hoteis jamais serão as mesmas.

Sinopse: Lynn Zapatek vive desconectada do mundo. Trabalha no Hotel Eden, recolhendo toalhas sujas do chão, limpando vasos e banheiras, organizando os quartos enquanto os hóspedes estão fora. Ela é boa no que faz, e o faz com esmero: não se contenta em limpar a superfície visível dos móveis; com o auxílio de uma faca ela acessa cantos difíceis, redutos de poeira há muito esquecidos, e liquida nódoas aparentemente irredutíveis. Somente por meio dos objetos e pertences de desconhecidos é que ela consegue participar do jogo da vida. Lynn não se apressa ao imaginar se uma hóspede dormiu com ou sem pijama, por que outra trouxe um secador de cabelo, quando cada quarto do hotel conta com o seu próprio. Um dia, em meio a devaneios voyeurísticos, o hóspede do quarto 303 retorna. Lynn se esconde embaixo da cama. Uma nova possibilidade se abre para sua existência: a partir de então, todas as terças-feiras ela vai se refugiar embaixo da cama de um hóspede. Markus Orths, um dos mais premiados e promissores jovens nomes das letras alemãs, mescla fetiches, manias e suspense num celebrado e inusitado romance sobre a solidão e a incomunicabilidade.

Título: A camareira
Autor: Markus Orths
Editora: L&PM
Ano: 2011
Número de páginas: 136

Diários do Vampiro: O Despertar

Já falei da série como um todo, mas agora vou falar de livro por livro. O primeiro livro é sempre o que mais me marca, não sei se é por apresentar a história ou por mera coincidência. Com a série Diários do Vampiro não foi diferente, o primeiro livro foi o que mais chamou minha atenção. O livro traz vampiros na história mas, assim como crepúsculo, não tem muita coisa de assustador. Não é aquele livro que te acrescente muito para a vida, mas dá pra passar o tempo. Tem suspense, romance, intrigas e mistério.

Sinopse: Em Fell Church, uma cidade pacata em West Virginia, a garota mais popular da escola Robert E. Lee apaixona-se por um vampiro com quatrocentos anos. Com a ajuda das amigas, Meredith e Bonnie, Elena fará tudo para seduzir Stefan. E Stefan fará tudo para proteger Elena… dele mesmo. O adolescente de olhos verdes, rosto clássico escondem um passado sombrio e uma sede que não consegue controlar. Com ele, arrasta a memória de um amor perdido e um irmão que apenas deseja vingança. Em Florença, no Renascimento, Stefan e Damon Salvatore lutaram pelo amor da mesma mulher. Séculos mais tarde, voltarão a fazê-lo. Diários do Vampiro – O Despertar é a introdução a um triângulo amoroso arrepiante: a história de dois irmãos vampiros que se odeiam e de uma garota que se vê dividida entre os dois.

Título: Diários do vampiro: O despertar
Autor: J.L. Smith
Editora: Galera Record
Número de páginas: 236

Um cadáver ouve rádio

Marcos Rey tem o dom de conquistar o leitor já nas primeiras páginas. Aprecio livros cheio de reviravoltas que prendem o leitor até a conclusão da história. Em “Um cadáver ouve rádio”, não é diferente. Cheio de mistérios  o livro é suspense até o fim. Outro romance policial que é impossível parar de ler.

Sinopse:
Em um prédio abandonado é encontrado um rádio ligado e do lado dele uma pessoa assassinado. O corpo do cadáver encontrado é de Boa-vida, um sanfoneiro muito querido. Quem pode estar interessado no assassinato de um pobre sanfoneiro? Léo, Gino e Ângela resolvem investigar o crime, descobrindo que a arma do crime era uma espécie de sabre chinês, muito bonito, com desenhos orientais no cabo, o que os leva a uma estranha galeria de suspeitos.

Título: Um cadáver ouve rádio
Autor: Marcos Rey
Editora: Ática
Ano: 1983
Número de páginas: 126

Conforto na hora de ler

Não ler por falta de conforto durante a leitura não é mais desculpa com essas cadeiras da Nobody&Co.

As cadeiras, e pufes, da empresa italiana de arquitetura associam conforto e praticidade, afinal, os livros podem ficar na prateleira da própria cadeira. Além disso, elas são um charme e combinam direitinho com sua sala.

Quem manda já morreu

Os livros da Editora Ática, principalmente da série Vagalume, marcaram minha adolescência. Os livros dessa coleção me chamam atenção por serem sempre cheios de mistério, dramas e comédia. É possível viajar na imaginação durante as poucas páginas destes livros, poucas páginas porque cada exemplar tem cerca de cem, duzentas páginas.
Embora a coleção vagalume seja uma série voltada para jovens, o público dos alvos não se restringe à apenas adolescentes, os livros são ótimos em conteúdo, assim, agradando à pais e filhos.

Sinopse: Por que tanta gente tentava impedir que Edu fizesse um trabalho para a faculdade sobre Tony Grand, se o bandido já estava morto? Era o que se perguntava. Mas nem seu tio Palha, um excêntrico detetive, parecia saber a resposta. Só que antes de matarem a charada, os dois começaram a receber ameaças de morte. Edu acompanha seu tio Palha na investigação de um esconderijo de traficantes para revelar a identidade do misterioso Boss.

Título: Quem manda já morreu
Autor: Marcos Rey
Editora: Ática
Ano: 1997
Número de páginas: 112


Kinky Boots, fábrica dos sonhos

Esses dias assiste Kinky Boots (2006) durante uma aula de marketing na faculdade. Além de dar boas dicas de marketing é uma ótima comédia. O Filme Kinky Boots, fábrica dos sonhos, conta a história de uma fábrica de sapatos que precisa mudar de estratégia para permanecer no mercado. Drag queens, trabalhadores e um herdeiro sem muita opção garantem a diversão do filme. Diverte e emociona na medida certa.

Sinopse: Há décadas a família Price é especialista em produzir requintados e tradicionais sapatos masculinos. Porém agora o negócio está à beira da falência. Numa tentativa desesperada de salvá-lo Charlie Price (Joel Edgerton), seu dono, contrata Lola (Chiwetel Ejiofor), um transformista de cabaré, como seu mais novo consultor criativo. Extravagante, Lola cria os mais ousados designs e transforma a loja de sapatos em uma verdadeira sensação.